sexta-feira, 29 de julho de 2016

#contagemregressiva

Brasília
17:21
26º

Domingo, 12:25, parto rumo ao Rio de Janeiro. Vou realizar um sonho profissional e pessoal: cobrir uma Olimpíada!

Em 2009, quando o Rio foi escolhido sede dos jogos, estava em Pernambuco, numa viagem de férias que fazia sozinha. Naquele momento, meu coração acelerou. Queria muito participar de algum modo, mas, naquela época, minha vida não cruzava com essa possibilidade, nem no horizonte.

Em 2014, troquei a TV Brasil, onde fiquei por quase 8 anos, para retornar à reportagem, na NBR/ Voz do Brasil. Sem saber, começava a pavimentar meu caminho rumo ao Rio.

De lá pra cá, muitas águas, reportagens e viagens rolaram embaixo dessa ponte. E o que parecia improvável, desencantou e virou realidade.

Se estou feliz? Não sei se felicidade resume empolgação, animação, excitação, ansiedade, vontade, delírio, loucura. Se não, coloca tudo isso num balaio e nomina. É isso que estou sentindo.

Rio, se apronte que vou lhe usar!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

No excuses

Brasília
16:52
26º

Atenção: se você faz o tipo acomodado, que arranja desculpa pra tudo. E, por exemplo, culpa a falta de dinheiro para não estudar. Pare agora mesmo! Não siga adiante na leitura desse texto. Volte amanhã ou busque os arquivos mais antigos.

.
.
.
.
.
.
.
.

Vamos falar de estudo. E, seguindo a leitura, você não terá desculpas para não estudar - e note que isso aumentará extraordinariamente a sua responsabilidade com o seu sucesso e com a busca da sua melhor versão.

Ter internet em casa é realidade para pelo menos metade dos brasileiros. Outros tantos (76,1 milhões, segundo pesquisa Nielsen Ibope, publicada em novembro de 2015), acessam a rede mundial por meio de telefones inteligentes, os tais smartphones.

Feito este breve introito (sempre quis usar essa palavra hahahaha) e sabendo que você está lendo este blog porque, obviamente, TEM acesso à internet, vou ter dar algumas dicas de como fazer cursos bacanas ou aprimorar o inglês, por exemplo, sem gastar um real.

Um dos meus sites queridinhos é o Veduca. Nele, fiz o curso de Ética, do professor Clóvis de Barros Filho. E estou em vias de começar o de Ciência Política com o mesmo querido e amado professor.

No Veduca, você tem dezenas de cursos bacanas, em várias áreas do conhecimento - de física a artes - muitos deles com certificado. Boa parte dos cursos são gratuitos e ministrados por professores das melhores universidades do país e de grandes universidades mundo afora.

Outro site que oferece cursos gratuitos é o Coursera. O lance do Coursera é que não tenho afinidade com os cursos oferecidos por eles, muitos relacionados à tecnologia e ciências exatas. Mas pode rolar uma sintonia com você.

Agora, se o seu lance é aprender uma segunda língua, aí é que não vejo motivos para não buscar refúgio na internet. Já passei por algumas escolas de idiomas, como CCAA, Wizard, Wisdom e Casa Thomas Jefferson. Em todas, em que pese as diferentes metodologias e a inegável qualidade da Thomas, senti que o meu processo de aprendizagem ficava muito limitado a um cronograma de aula e a colegas de classe em níveis diferentes, ainda que os desníveis fossem discretos.

Outro dia, conversando com uma pessoa, tive a sensação de que as escolas nivelam por baixo quando evitam textos mais complexos em sala de aula. A mim me pareceu que a estratégia é a de que o aluno tenha a percepção de que está indo de vento e polpa no aprendizado. Quando, na realidade...

Enfim. Fato é que há canais ótimos para aprender idioma sem precisar gastar um tostão. Como o meu interesse é o inglês, vou mostrar alguns caminhos. Mas sei que há iniciativas semelhantes para muitas outras línguas.

Adoro ouvir Podcasts. E foi nessa mídia que conheci o ESL Podcast. O canal reúne muitos áudios do professor doutor Jeff McQuillan, que dá suas aulas direito da beeeeeautiful Los Angeles, California. Para aproveitar o material, é preciso ter nível intermediário. O professor Jeff, junto com sua redatora, Dr. Lucy Tse, dá aulas recheadas de bom humor e informação. As classes são todas em inglês, mas não se assuste, você conseguirá acompanhar - talvez com alguma dificuldade no início, mas não desista. Uma das grandes vantagens desse canal, é que ele é feito para qualquer terráqueo que queira aprender inglês. Ou seja, não é para brasileiros, apenas. Logo, você tem contato com dúvidas de franceses, iraquianos e japoneses - yes, você não está sozinho nessa jornada. Apois, além de ouvir o canal pelo Podcast, você pode acessar os áudios pela internet, no site do ESL Pod.

Esses dias, também descobri um canal no YouTube muito fofo to improve my english. É o Small Advantages. O responsável pela dose cavalar de fofura é o Gavin Roy, um norte-americano que está aprendendo português e, nessa troca, dá dicas maravilhosas de inglês. Gente, o canal dele tem quase 200 mil inscritos! Ele realmente é bom - e fofo.

Fuçando a internet e os aplicativos para celular, tem inúmeras outras opções, que vão atender o gosto e nível de cada um.

Para quem está começando com o "the book is on the table", recomendo que dê uma olhada no Duolingo. Lá, você também pode dar os primeiros passos no francês, alemão e espanhol. Particularmente, não gosto do formato porque se parece muito com as aulas das escolas de idiomas, mas pode funcionar pra você.

Gente, esse post já está gigante, mas preciso dar uma última dica. É o Lê Livros, site que, desconfio, vive na mais absoluta clandestinidade. Neste recanto obscuro da internet, você encontra toda a sorte de livros. De lançamentos a clássicos. Dá pra baixar em formato PDF e pra adicionar à biblioteca do iBooks. Se essa é a sua praia, corre e baixa o que puder. O site não deve durar muito tempo, apesar de que ouvi falar dele ainda no ano passado - a vida está sendo longa para os piratas.

Se você não curte ilegalidades - like me - vai lá no Domínio Público. O site reúne apenas obras que caíram em domínio público ou cujo direito autoral foi cedido pelo autor.

Fora o que disse, tem inúmeros sites, podcasts e aplicativos que têm como objetivo universalizar o conhecimento. Fuce, fuce e fuce. Pra ter sucesso, é preciso curiosidade. E lembre-se, no more excuses!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

História

Gama
9:57
21º

Uma dica linda para quem gosta de História. Descobri ontem o canal Escriba Café no Podcast. Fiquei embasbacada com a qualidade do programa e as informações oferecidas. Posso garantir que nunca tive uma aula sobre a II Guerra Mundial tão boa (e em 44 minutos!).

No Podcast, há apenas nove capítulos disponíveis, que fazem parte de uma nova fase do programa. Mas entrei no site deles e descobri que os episódios antigos (são dezenas) estão disponíveis no Mixcloud. :)


Gente, sério, nada me faz mais feliz do que descobrir canais de informação de qualidade, sobre assuntos que gosto (e de graça!).

Se você tem acesso à internet, você tem o mundo aos seus pés. Com o tempo, vou indicar outros canais que amo - e que são gratuitos - para fazer cursos, aprofundar questões, que ajudam a construir um senso crítico.

Aproveite!


terça-feira, 19 de julho de 2016

Mudança de hábito

Brasília
17:25
29º

Há 3 anos, parei de tomar refrigerante. Há um ano e meio, evito leite integral. Há 6 meses, dei tchau para sucos de caixinha, independentemente de marca e fórmula. No espaço entre um e outro, reduzi drasticamente o consumo de fast food e frituras. Há pouco mais de 3 meses, parei de comer carne bovina e de frango. Há coisa de 15 dias, fiz um compromisso pessoal de não comer mais pão. Reduzi também o consumo de açúcar e estou avaliando eliminar o arroz.

Não estou me tornando uma chata de galochas, prometo. Só estou buscando adequar a alimentação à realidade dos anos já vividos.

Fato é que tomei essas decisões por que, em algum momento, esses produtos passaram a fazer mal ao meu organismo ou à minha percepção de mundo. O amadurecimento é uma dádiva, definitivamente.

Uma vez, resolvi parar de tomar bebida alcoólica porque estava passando dos limites (ah, os 20 anos). Fui à psicóloga e ela perguntou se eu não era muito rude comigo mesma. No entendimento dela, poderia apenas ter reduzido o consumo. Não concordei e fiquei 6 anos sem beber.

Há um quê de sadismo nisso. Um prazer em me limitar e, até, em me boicotar, às vezes.

Alguém precisa me pôr limites. Que seja eu, então.

E assim continuo plena, cortando tudo o que me faz mal.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Isso também passa...

Brasília
15:15
28º

A você que acha que a culpa sempre é da mulher.

A você que esconde sua personalidade machista, sexista e misógina atrás de um fantasia de homem culturalmente elevado.

A você que falseia verdades e fantasia histórias em nome da necessidade covarde de querer "parecer bem" diante dos outros.

A você que não busca o outro lado e emite opiniões sem saber do que está falando.

A você que não assume o que faz e não honra o fato de estar vivo.

A você, deixo Quintana como inspiração.

Vocês passarão. Eu passarinho.